CONSULTÓRIO: 31 3262-3538

Sabia que doenças da vida adulta podem ser resultados tardios de eventos que tem como origem a vida intra-uterina? É disso que se trata a programação metabólica. A alimentação da mamãe, portanto, afeta diretamente no desenvolvimento do seu filho. Se a gestante ingere bebida alcoólica, por exemplo, a criança pode apresentar retardo do desenvolvimento em decorrência dos efeitos metabólicos do álcool sobre o cérebro ainda na idade fetal.

A programação metabólica é um conceito dentro da epigenética, campo que estuda como fatores externos, como alimentação, poluição, uso de drogas e a prática de atividades físicas, podem alterar a herança genética através da memória celular. O conceito dos 1000 dias, muito popular, determina que essa influência nutricional da mãe sobre o seu filho vai da gestação até os dois anos de vida da criança.

Apenas 20% dos nossos genes têm relação com fatores hereditários. Cerca de 80% são influenciados por questões externas, como a nutrição, o uso de medicamentos, infecções adquiridas e a prática ou não de exercícios físicos.

Na correria do dia a dia, alimentos industrializados costumam ser muito convenientes, mas eles representam um risco para a saúde. Produtos excessivamente processados são carentes de nutrientes e tem alta concentração de conservantes, corantes, sódio, açúcar e gordura trans, prejudiciais ao desenvolvimento do bebê.

Pesquisas apontam que alimentar-se de açúcares e gorduras durante a gestação aumenta a chance da criança desenvolver alguma doença na fase adulta, como diabetes, hipertensão, intolerâncias alimentares e alergias. Filhos de mães que tiveram diabetes na gestação são mais propensos a obesidade, doenças cardiovasculares e até câncer na vida adulta.

É comum ainda que indivíduos que foram gerados em um meio de deficiência nutricional ou restrição alimentar enfrentem um quadro de excesso de peso na vida adulta. É como se eles tivessem desenvolvido um mecanismo de defesa ao período de insuficiência de energia — uma produção anormal de células de gordura. Além disso, eles tendem a ter um apetite maior do que as outras crianças nos primeiros anos de vida.

Apesar dos estudos, crianças que foram expostas à situações prejudiciais ainda na barriga da mãe, mas na fase adulta mantenham um estilo de vida saudável, podem não desenvolver doenças. Já aquelas que viram adultos sedentários têm maior chance de desenvolver doenças crônicas.

Toda mulher que deseja engravidar, deve procurar um médico obstetra no mínimo 90 dias antes da concepção. O profissional irá realizar uma consulta especial e orientá-la sobre os hábitos saudáveis de vida que precisam ser adotados.

A responsabilidade e compromisso da mamãe com o futuro do seu filho é grande. Escolha por mais saúde.

 

Leia mais: